//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Ao deixar o cargo Temer vai enfrentar mais cinco investigações

Michel Temer chega ao fim de seu governo menor do que entrou
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Depois do golpe contra uma presidente que ele próprio disse ser honesta, o vice decorativo se despede com o legado de pior presidente da história da república e com uma lista de investigações. A apuração sobre o decreto dos portos que resultou na denúncia apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) na quarta-feira (19) encontrou indícios de outros cinco crimes envolvendo o emedebista.

Com isso, depois de deixar o Planalto, o emedebista deverá enfrentar na primeira instância da Justiça quatro investigações em fase avançada e mais cinco novos inquéritos.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, “as cinco novas suspeitas descritas pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, referentes a fatos de 2010 a 2015, não integraram a denúncia porque são anteriores ao atual mandato presidencial, iniciado em 2016. Caberá a um procurador que atua na primeira instância analisá-las para eventualmente oferecer novas denúncias.”

Das cinco novas apurações, três têm a Argeplan Arquitetura e Engenharia como elemento principal. A Procuradoria-Geral da República (PGR) defende que a empresa, que aparece na denúncia por portos como intermediária de propina e que tem como um de seus sócios o coronel João Baptista Lima Filho, pertence a Temer.

A matéria ainda destaca que “Lima e Temer são amigos desde os anos 80. A Argeplan ganhou impulso naquela década com contratos de consultoria com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo. À época, Temer era o titular da pasta. Um dos pedidos de abertura de inquérito envolve um contrato milionário da Eletronuclear para a construção da usina de Angra 3 que foi paralisado devido a suspeitas levantadas pela Lava Jato. O contrato, de R$ 162 milhões, foi firmado pela multinacional AF Consult, que subcontratou a AF Consult do Brasil, que por sua vez tem a Argeplan em seu quadro societário.”

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

MAIS DO CONTRA CORRENTE

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Preencha os dados do formulário para realizar o seu cadastro em nossa lista e receber as atualizações do nosso blog